Comportamento

3 lições “na cor do vestido”

0 167

Dizer que a Internet quase caiu com a história da cor do vestido, pode ser exagero, mas que mobilizou, no mínimo, todos os usuários assíduos, isso é fato!

O motivo desta publicação não é trazer explicações científicas sobre o porquê da vestimenta ser enxergada em diferentes tons, tanto porque não passaria de mais uma tentativa. Se este for o seu objetivo, poderá encontrar hipóteses e justificativas em vários canais de notícias, do maior ao o menor. E para não passar batido aqui, no final deixo alguns dos melhores links que encontrei por aí.

Exageros à parte, minha ideia aqui é identificar 3 fatores (ou realidades), que contornam o caso do “vestido mentiroso”. Por isso, separei algumas situações, as quais analiso estarem relacionadas ao contexto:

 

1. A realidade não é igual para todos

Como primeiro item, destaco um fator um pouco mais científico do que comportamental. O fato da postagem original no Tumblr ter ficado famosa, é porque todos “pegaram a mesma onda”, então a coisa se desencadeou. Afinal, ninguém quer ficar de fora (além da tremenda curiosidade, é claro). O foco no vestido “viralizou”. Contudo, em nosso dia a dia, passamos por situações como essa sem ao menos termos consciência: divergências de opiniões são constantes em várias temáticas. Se pararmos pra pensar que o mundo é entendido (e visto) por organismos totalmente únicos e independentes, entendemos que esse tipo de situação é muito comum de acontecer. Só que a questão é: respeitar o outro ao invés de tentar provar que você é que tem razão!

Simplesmente não reparamos! Se em cada divergência, pararmos para analisar e avaliar as opiniões, veremos que essa situação se repetirá. A chave é, bastar estarmos atentos. Porém, é inviável esta prática dentro de nossa louca rotina. É impossível pararmos para analisar cada situação.

 

2. O povo não está interessado no Brasil

Este ponto e o próximo considero meramente comportamentais. Semana passada publiquei um rápido artigo sobre aquele vídeo que rolou na Internet, de um caminhão sendo saqueado com o motorista morto na direção. Atitude fria e sem valor pela vida, em que questionei o caráter e a indiferença cada vez mais latente do ser “humano” atual.

É tão fácil acontecimentos banais como esse, do vestido, gerarem tamanho movimento na Internet (e nem estou falando apenas das redes sociais). Claro que existe uma questão curiosa e intrigante sobre o assunto, porém o movimento foi tão intenso na Web, entre formadores de opinião, jornalistas e cientistas que não pude deixar de pensar que todo esse esforço e união (mais a união) para solucionar a questão das cores poderiam estar voltados à solução dos problemas do nosso Brasil, incontáveis nos últimos dias.

Vamos imaginar, seja por alguns minutos, se esta mesma intensidade fosse canalizada em favor do país, em qualquer área problemática do momento. Tenho certeza de que o povo iria contribuir, e muito, para debater e questionar soluções de muitos problemas. Não digo na prática, já que na grande maioria quem executa  é o governo, porém, as ideias poderiam sim vir do povo.

Reparem: no caso do vestido, muitos se mobilizaram (incluindo meios de comunicação) em gastar tempo criando soluções visuais para entender o fenômeno –  em imagens, animações, vídeos, pesquisas científicas, dentre outros recursos. Agora, transponham este comportamento em favor de alguma área do Brasil, a saúde por exemplo. Vou ser ainda mais específico: os precários postos de saúde espalhados pelo país. Imaginem esse mesmo empenho e união para solucionar tais problemas?! Ainda que sem “poder” na prática, nosso investimento massivo em pensar e opinar, com estudos científicos, políticos, financeiros e vários outros sobre o assunto, certamente fariam grande diferença para o governo tomar alguma atitude. Mas falar de problemas não é legal, nem divertido. Preferimos essa letargia que tomou conta das nossas mentes. Me incomoda saber que poderíamos debater mais sobre o que realmente importa para o Brasil.

 

3. O poder do povo na Internet

Acredito que este fator nem precise de explicação.

Só de lançar a ideia, já podemos refletir sobre o que o povo é capaz. E isso até me faz lembrar dos elefantes de circos. Eles crescem acorrentados, sem saber da força que tem. Presos naquelas frágeis estacas, ou mesmo em suas correntes, com algum esforço e movimento poderiam se libertar.

Não se ofenda, por favor. Eu me coloco no meio. O povo brasileiro é como o elefante acorrentado, não conhece a força, nem o poder que tem.

Quando “o gigante acordou”, cheguei a pensar que teríamos alguma mudança efetiva. Mas as manifestações logo se perderam, foram abafadas com violência e “festa”, cuja força ficou reduzida com a dispersão.

Já na Internet, a agressão maior se limita à verbal ou visual. Ou ainda aos danos psicológicos e físicos causados pelas publicações, claro. Mas nada tão avassalador quanto a agressão física das ruas, o que motiva o fortalecimento e a união, às vezes até maiores por agregarem desconhecidos num clique. O vestido colorido é prova desse poder: somos capazes!

A partir do momento em que tentarmos (e a tentativa será com certeza positiva), conseguiremos romper a barreira desesperadora que existe entre o povo e o “país”. Você pensou que eu fosse dizer “entre o povo e o governo”, não é mesmo? Mas não é isso! Nós não queremos nos aproximar de um governo corrupto, queremos sim o nosso Brasil.

Então, podemos tirar proveito do “vestido mentiroso”. Podemos pegar esta onda para fazemos algo por nós, como povo, unido e esforçado.

Podemos lançar uma discussão específica e deixar isso desenrolar. Estamos fazendo de forma errada – na Internet falamos de tudo e de todos na tentativa de criar um movimento, mas é como tentar parar um tanque de guerra com uma pistola.

Como povo, podemos buscar motivações para avançarmos (com a mesma vontade “do vestido”) na solução de problemas, com pesquisas, ideias, movimentos, publicações e qualquer outro recurso à disposição. A Internet é um grande poder, dá voz com celeridade, pois consegue quebrar as barreiras do virtual para o mundo real. Pense nisso!

Mais sobre o assunto:
Empresária encerra o assunto
G1 faz um resumão da polêmica
WIRED explica cientificamente (inglês)
Pesquisa no Youtube por “cor do vestido”

Sobre o autor / 

Daniel Accorsi

Analista Web/Sistemas formado em 2004 pela Universidade UniFil em Londrina/PR, MBA em Marketing Digital e Gestão de Projetos Web, blogueiro, desenvolvedor Kinect e fotografia como hobby. Me encontre no Twitter - @DanielAccorsi

Deixe uma resposta

Comentários

Arquivo

Receba por e-mail

Você receberá pro e-mail as novas publicações do Alvo Conhecimento. Poderá cancelar a qualquer momento.